[ editar artigo]

Bem Vindo a Era da Sabedoria

Bem Vindo a Era da Sabedoria

A Era da Sabedoria é marcada pela gestão inteligente de recursos e pela excelência na construção de ambientes funcionais e enriquecedores das relações. 

As últimas décadas tem sido marcada por revoluções na maneira como as empresas tem desenvolvido seus negócios. A revolução industrial (a partir de 1760) mudou a manufatura artesanal estabelecendo produções em série e provocou um êxodo das regiões rurais para os grandes centros. O eixo central desta revolução estava na classe operária, por isso nasceram novas atividades profissionais, novas exigências de mercado e uma mudança radical na gestão dos recursos naturais, nas relações trabalhistas e nas relações de negócios. Houve um grande avanço tecnológico a partir da atuação de empresários visionários, engenheiros e investidores na construção dos grandes parques fabris e da indústria de maquinários.

Posteriormente, a revolução da informação (a partir de 1970) mudou a maneira da empresa pensar seus processos. Com o adventos do computadores, microprocessadores o diferencial parque fabril foi ofuscado pela capacidade da indústrias de sistematizarem informações para ganhar produtividade. Nasce então um novo tipo de profissional. Se na revolução industrial a base da economia era o trabalho operário, agora passou a ser o conhecimento. Desde então o ritmo de desenvolvimento tecnológico se tornou exponencial com o aumento de acesso a conteúdo e formação. 

Em meados dos anos 2000 começa a surgir a era da Criatividade, que ganha força com o crescimento tecnológico e o movimento empreendedor que sustenta a escalabilidade de nascimento das startups no mundo todo. Agora as pessoas passaram se sentiam encorajadas  a arriscar e tirar suas ideias do papel. Com isto, novas demandas de consumo de bens e serviços são criados e novos nichos de mercado começam a fazer parte da economia global. Provocando novos hábitos de vida nas pessoas nas cidades, a Era da Criatividade abriu espaço para pessoas de diversas classes sociais e formações culturais empreenderem seus negócios. 

 

A SABEDORIA COMO BASE PARA O FUTURO

Porém, de maneira silenciosa uma nova Era está se iniciando, o que chamamos da Era da Sabedoria, onde cada vez mais precisaremos desenvolver a habilidade de fazer mais com menos. Esta era nasce de uma necessidade global por respostas efetivas para questões profundas. Não basta ter parques fabris tecnológicos, informações abrangentes em tempo real, criatividade para inovar processos e desenvolver novos bens e serviços, se como humanidade não sabemos para onde estamos indo, qual o caminho que devemos seguir, e como encontrar soluções consistentes para os grandes problemas da humanidade, dos quais a grande maioria surge do contexto das revoluções anteriores. 

Isto envolve uma revisão dos nossos fundamentos de gestão empresarial e condução da construção da marca das empresas. Albert Einstein certa vez disse: "Os problemas significativos com os quais nos deparamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando eles foram criados". Já paramos para pensar quanto tempo gastamos para realizar tarefas, e no quanto mais temos que fazer para alcançarmos os mesmos resultados de antes? E para piorar, às vezes, parece que o que produzimos se dissipa de forma rápida, como se colocássemos o que alcançamos dentro de uma bolsa furada, e quando nos damos conta, já estamos novamente ansiosos correndo contra o tempo? Como isso é possível? Talvez a maior mudança de paradigma que uma pessoa ou uma empresa possa ter é justamente a mudança de nível da forma com que se pensa estratégias, ações e resultados. Precisamos continuamente desenvolver uma inteligência mais integral e integrada. Sem dúvidas, a Sabedoria será o principal recurso de diferencial de mercado,  sustentabilidade e longevidade para as empresas no futuro.

 

O QUE É A SABEDORIA?

Para o grego, sabedoria envolve uma inteligência ampla e completa, aplicada sobre diversos assuntos. Enquanto o conhecimento traz especificidade, a sabedoria é abrangente. Para os orientais, em especial os de origem semita, a sabedoria carrega em si a capacidade de construir ou inovar a partir dos fundamentos ou princípios iniciais, de desenvolver estruturas funcionais que promovem avanço ordenado, preservando aquilo que é essencial. Permite que se trabalhe a partir da interatividade complexa do ambiente, não apenas a partir do que já está sistematizado. Com isto, permite que haja uma exploração não predatória, mas enriquecedora da própria riqueza contida na imensidão dos recursos que estão presentes no mundo. A sabedoria traz efetividade para a criatividade, apontando um caminho de excelência a ser trilhado, pois a excelência gera abundância e lastro geracional. 

Diferente do conhecimento que precisa ser adquirido, a sabedoria precisa ser buscada na perspectiva de uma prioridade essencial da vida. Enquanto o conhecimento precisa ser represado para não ser perdido, a sabedoria é renovável na medida em que é compartilhada. Se o conhecimento é o tesouro, a sabedoria é criadora de tesouros. Parafraseando Nilton Bonder, a sabedoria é o recurso que permite que possamos "lidar com respostas dinâmicas em ambientes de constante mutação, distintamente do nível aparente (conhecimento sistematizado), que considera situações sempre em condições estáticas."

Portanto, a sabedoria nos permite saber como responder com mais assertividade aos desafios das transições de um mercado globalizado, permitindo que as empresas possam suportar a tensão da velocidade das mudanças geopolíticas, tecnológicas, ambientais e das relações socioeconômicas globais. Por isso, a Era da Sabedoria é marcada pela gestão inteligente de recursos e pela excelência na construção de ambientes funcionais e enriquecedores das relações.

 

A INTEGRIDADE INTEGRADA É O MARCO DA SABEDORIA

O termo integral está relacionado a ser inteiro, completo, algo não fragmentando. A maioria da empresas possui um modelo de gestão empresarial "departamentalizada", ou seja, cada departamento tem sua vida própria, sua maneira de ser conduzida e logo tem suas próprias prioridades. Em muitos casos, cada departamento é tão independente que parece uma ilha isolada no meio do oceano. Vendas mantém o foco no vender cada vez mais, o financeiro se concentra em administrar as finanças, cortar gastos e melhorar o caixa, a produção em produzir em menos tempo e com cada vez mais qualidade, recursos humanos em "administrar" o pessoal para diminuir rotatividade e assim sucessivamente. Em muitos casos, o que é pior, o isolamento é mascarado pelos bons números que cada departamento apresenta. 

Mas precisamos nos lembrar de um princípio fundamental: que toda fragmentação produz fraqueza a qual, em um cenário de transição do negócio ou de crise, pode levar uma empresa ao colapso. O fato de cada departamento apresentar bons resultados, mas não conter em si a identidade corporativa que constitui uma empresa não poderia ser um motivo de orgulho, mas de preocupação. Uma empresa não pode ser uma colcha de retalhos, de partes que juntas formam um todo, mas de um todo que está presente em cada parte. 

Ser integral tem a ver com que cada departamento, área ou setor da empresa, possua em si a identidade da organização. É quando a identidade da empresa não é formada por cada parte da empresa, mas onde cada área é parte da empresa, devendo ser, neste caso, uma expressão específica da identidade corporativa. Isto muda completamente a ótica pela qual gerenciamos uma empresa, pois é a compreensão que o todo (a identidade corporativa) sempre é maior que a soma das partes (cada área da empresa).

Já o termo integrado está relacionado a uma conexão entre cada departamento, quando todas as partes que contem em si a essência da identidade corporativa trabalham de forma interdependente. Ou seja, apesar de possuírem suas características próprias, suas rotinas diárias e atribuições específicas, trabalham pelo crescimento da organização e não apenas para cumprirem sua cota... Por serem integrais integram em suas ações toda estratégia, incorporam em si os valores da organização, assumem suas responsabilidades no cumprimento da missão, e suas decisões no dia-a-dia tem como premissa contribuir para que a empresa se torne plena no cumprimento da visão que a rege, tendo como resultado que o propósito existencial da companhia possa ser alcançando no tempo presente e perpetuado em múltiplas gerações futuras.

 

A SABEDORIA GERA UMA NOVA PERSPECTIVA SOBRE INOVAÇÃO

E como este processo de desenvolver uma inteligência corporativa integral e integrada ocorre? Este processo se inicia pela mudança de perspectiva, que envolve ver a própria empresa com nova ótica, ampliar a compreensão da própria marca e incorporar princípios e aplica-los na gestão da empresa, desenvolvendo uma sabedoria específica, que consiste em entender que sustentabilidade e expansão não são duas palavras diferentes, ainda que etimologicamente o sejam, mas são parte de um mesmo fundamento. É justamente esta a chave que pode colocar aquilo que está paralisado em nossos negócios novamente em movimento. 

Estes pontos podem ser um fator preponderante no estabelecimento de empresas que transcendem seu tempo, se tornando resistentes a crises, as mudanças econômicas, a transições de pessoal e acima de tudo, que permanecem trabalhando na expansão de sua existência, promovendo avanços tecnológicos, econômicos e sociais. 

 


Conheça nosso programa de Desenvolvimento Integral de Líderes, Gestores e Executivos acesse www.illumineconsultoria.com.br/aboutlife

Educação

TAGS

sabedoria

REINO
Marcelo Souza
Marcelo Souza Seguir

Casado com Zélia e pai da Júlia. Atua na equipe pastoral da Missão Mobilização, é founder da Illumine, presidente da Acridas, mentor e conselheiro de empresários e mobilizador de redes de empresários cristãos em várias regiões do Brasil.

Ler matéria completa
Indicados para você